Menina de 9 anos ensina vendedor de picolé de 68 a ler e escrever no Ceará



Francisco Santa Filho, de 68 anos, popularmente conhecido na comunidade como “Zezinho”, é o retrato dos numerosos e profundos contrastes sociais brasileiros. 

O idoso trabalha como vendedor de picolé há mais de meio século (começou aos 12 anos) em frente ao Colégio Diocesano, antiga e tradicional instituição particular de ensino do município de Crato, no Ceará. 


Passou grande de sua vida analfabeto, mas agora, com a ajuda de uma jovem e dedicada “professora”, Zezinho tem ganhado cada vez mais intimidade com as letras. 

Sua professora é Bárbara Matos Costas, de apenas 9 anos, que estuda no Diocesano há dois. Ela tem ensinado o senhor a ler e escrever após as aulas. 

Uma das aulinhas foi fotografada pela psicopedagoga Risélia Maria, que publicou a foto no Facebook na quinta (13), e desde então tem viralizado na rede social. 

Em frente à escola, sentados no chão, Bárbara e Zezinho manuseiam os livros e cadernos absolutamente concentrados. “O Zezinho merece um dez!”, elogia a professorinha, que não faz segredo sobre seus métodos de ensino. “As vezes, eu escrevo uma palavra com tracinhos para ele cobrir, como ‘picolé’ e ‘amor’. Também coloco as letrinhas para ele juntar”, diz ela, que sonha em ser médica, veterinária ou masterchef ‘quando crescer.’ 

Zezinho celebra seu progresso em meio às aulas com a garota. “Já sei assinar meu nome e juntar algumas letras. Ela me ensina aos pouquinhos e eu vou aprendendo devagar”, relata o idoso, emocionado, que antes dizia “não ter cabeça” para aprender mais nada. 


13 visualizações